Casimiro Nhussi | Gweka

Go To Artist Page

More Artists From
CANADA - Manitoba

Other Genres You Will Love
World: African- South World: African- South Moods: Mood: Party Music
There are no items in your wishlist.

Gweka

by Casimiro Nhussi

This truly is a world music piece where listeners and world music lovers travel through the different music textures of Mozambique, Africa and of our planet. Thirteen tracks... thirteen different journeys... enjoy.
Genre: World: African- South
Release Date: 

We'll ship when it's back in stock

Order now and we'll ship when it's back in stock, or enter your email below to be notified when it's back in stock.
Sign up for the CD Baby Newsletter
Your email address will not be sold for any reason.
Continue Shopping
just a few left.
order now!
Share to Google +1

Tracks

Available as MP3, MP3 320, and FLAC files.

To listen to tracks you will need to either update your browser to a recent version or update your Flash plugin.

Sorry, there has been a problem playing the clip.

  song title
share
time
download
1. Tangola
Share this song!
X
7:02 $0.99
2. Mozambique
Share this song!
X
6:59 $0.99
3. Dunia
Share this song!
X
5:10 $0.99
4. Djalale
Share this song!
X
6:29 $0.99
5. Yala Gogo
Share this song!
X
5:50 $0.99
6. Mwana
Share this song!
X
4:03 $0.99
7. Mboya
Share this song!
X
3:46 $0.99
8. Gweka
Share this song!
X
3:24 $0.99
9. Naked
Share this song!
X
3:19 $0.99
10. Umu
Share this song!
X
3:13 $0.99
11. Yegede
Share this song!
X
3:11 $0.99
12. Smooth Naked
Share this song!
X
3:18 $0.99
13. Xitende
Share this song!
X
3:33 $0.99
preview all songs

ABOUT THIS ALBUM


Album Notes
WHO AM I
My mother felt movement in her womb after three months of pregnancy. According to Makonde and most traditions, three months is too early for a baby to start dancing in the womb. So she went to visit a traditional healer.
Before recommending any treatment, Makonde Healers consult their ancestors so that the ancestors can recommend the treatment. The communication between the healer and their ancestors is done by a traditional ceremony called "Kuvambuka". The ceremony is accompanied by drums and songs played by the healers disciples.
After my mother finished explaining about the unusual movement of her pregnancy, he started singing songs and ordered the drums to play. And the baby inside my mothers womb started dancing.
The artistry that I have is in my blood, and I was born with it. My father gave the artistic seed to my mother, and she cooked it together with her own artistry and gave it to me.
Here I am. I went to the art schools to learn what I had already learned in my mothers belly. I went to the art schools so that the world doesn't call me ignorant of my own artistry.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Casimiro Nhussi
Short Bio
Casimiro is a professional dancer, a choreographer, percussionist, composer and singer, specialized in African drum, Xylophone and Mbira. His first musical instruments were Ligoma and Ntodji - Makonde hand drums . He is a musician whose musical style is mostly based on the Makonde people’s traditional music with African contemporary music incorporated. He has composed music for Canada’s National Film Board’s short animated film “Mind Me Good Now”, the Mozambique National Dance & Song Company, Kalahari drumming band, Bafana drumming group and NAfro Dance’s Band. Casimiro recorded musical pieces are played on Radio Mozambique, CBC Radio, KICKFM, and 101.5 UMFM in Winnipeg.
Casimiro has performed in Austria, Germany, Italy, Denmark, Norway, Sweden, Switzerland, Spain, Russia, Brazil, Poland, Chech Republic, Slovenia, US, Macau, Lithuania, Portugal, Bulgaria, Reunion Island, Tanzania, South Africa, Namibia, Swaziland, Angola, Malawi, Zambia and Zimbabwe. (more about Casimiro Nhussi www.casimironhussi.com)
----------------------------------------------------------------

Flyertown
Classifieds
Autos
Homes
Winnipeg Free Press > Arts & Life > Arts & Entertainment > Music > WORLD
MUSIC
Winnipeg Free Press - PRINT EDITION
World
By: Staff Writer
Posted: 03/27/2010 1:00 AM | Comments: 0
Casimiro Nhussi
Makonde: Roots of Northern Mozambique (Poppycock)
Transplanted African dancer and musician Cas Nhussi seems to have an unending well of creative energy and Winnipeggers are the benefactors of that vigour. This contemporary African music album is a sweet and honest set of tracks that has an authentic feel and rootsy vibe, while adding a simple modernist sheen that doesn't detract from the overall listening experience.
Nhussi's vocals and instrumental skills on djembe, xylophone and various percussion instruments is startling. The addition of local first-string players like Gerry Atwell, B.J. Harrison, Damon Mitchell and Rod Hussy is wise, and they don't appear to be mere hired guns -- they sound like they truly understand and groove with Nhussi's vision.
Fans of real African music will be well satisfied with the creative weight this album offers. We are lucky to have this talented chap in our midst. 'Ö'Ö'Ö'Ö1/2 (this is four and half star review)
-- J. Monk
Republished from the Winnipeg Free Press print edition March 27, 2010 C4
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Winnipeg Folk Festival Fridays: Casimiro Nhussi at the CUBE
• ARTS & ENTERTAINMENT
• AUGUST 27, 2010
• BY: CENDRINE MARROUAT

Show do not change
Casimiro Nhussi holding a shekere
Photo credit: Cendrine Marrouat
Why are African rhythms always so stirring and refreshing? If you pay attention to the way African artists use their instruments (djembes, balafons or shekeres, for example), you will notice the special bond between them. They are like a couple whose dialogue exudes energy and sensuality.
On August 27, 2010, Winnipeg Folk Festival Fridays featured Casimiro Nhussi at Old Market Square. Nhussi was accompanied by five talented musicians. The weather was beautiful but the heat almost oppressive. However, it did not deter the band from entertaining the audience in the best possible way. One could feel how happy they were to perform. Their great energy, synergy and smiles were infectious. Whether they were grooving to the music or simply sitting, members of the audience obviously had a wonderful time.
Once again, music proved to be a much-needed connector, bringing people together in a cultural and educational atmosphere. Cultural because, for most North Americans, Africa is still a very little known continent. And educational because exposure to differences brings understanding and respect. After all, isn’t it what Canada is all about?
More on Casimiro Nhussi
Artist Casimiro Nhussi was born in Mozambique, a country in south-eastern Africa. After starting his career as a dancer, he became the artistic director of the Mozambique National Song and Dance Company. He moved to Canada in 1997 and formed his own dance company, NAfro Dance. The NAfro Band features African rhythms, including Ghanaian and Mozambican traditional rhythms.
For more information about NAfro Dance, visit the official Website.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Winnipeg Free Press - PRINT EDITION
Leopard has found his spot
Multi-talented Mozambican artist Casimiro Nhussi has made Winnipeg his home since 1997
By: Alison Mayes
Posted: 01/18/2012 3:19 AM | Comments: 2 | Last Modified: 01/18/2012 9:13 AM | Updates
PRINT
E–MAIL

JOHN WOODS / WINNIPEG FREE PRESS Enlarge Image
The best-known African artist in Winnipeg can jump like a gazelle, whirl over to his band, grab a drum and never lose the soulful beat.
Over the past decade, Casimiro Nhussi, who arrived here from Mozambique in 1997, has established NAfro Dance Productions as Western Canada's only professional African-contemporary dance company.

1. ARTICLES
He's also a singer, multi-instrumentalist and composer who earned a 2010 Western Canadian Music Award nomination for his debut CD, titled Makonde after his home tribe.
Nhussi, one of 19 children by nine wives of a famous dancer and sculptor, was a star in Mozambique, a nation on Africa's southeast coast. An electrifying performer, he rose to become artistic director of the country's National Song and Dance Company. He also trained as a contemporary dancer in New York.
After he married a Manitoba-trained engineer, Esther Argyle, they decided to raise their sons Ndidi and Katuma (now 21 and 18) in Winnipeg. When they first settled here, Nhussi, who's been compared to a leopard for his onstage grace, thought he would change his spots and become an anthropologist.
"But dancing and music just didn't let me go," says the gregarious choreographer, who speaks eight languages.
Nhussi, 47, has taught at the Royal Winnipeg Ballet School and the School of Contemporary Dancers, as well as throughout the province as an artist in the schools for the Manitoba Arts Council. Many children here, he says, view Africa as a backward continent defined by the hunger and poverty they see on commercials for charities. He wants them to know more.
NAfro's high-spirited, drum-powered shows at the Gas Station Arts Centre, usually every November and March, feature a large professional band, with Nhussi as magnetic host, dancer and player.
"He's got this fabulous energy that just draws people to him," says Brent Lott, artistic director of Winnipeg's Contemporary Dancers.
Nhussi's core company of six dancers is all-female. He would love to showcase local male dancers, if he could find some.
Toronto and Montreal have three African-contemporary troupes between them. But from Lott's observation, Nhussi is one of the best African-contemporary choreographers in Canada, with a style that's a true fusion of ethnic and contemporary movement.
Nhussi says one of the biggest challenges of working with Canadians is to get them to loosen up, ditch their perfectionism and accept mistakes as part of the flow of life.
"Mess it up as much as you want!" he says. "Mess it up, clean it, and keep going."
He also can't understand why many Canadians dislike their own physiques. "Our body has all these curves and shapes. Why would you want to correct that part? It's your body! It's your self!"
Nhussi is still a big name in his home country of more than 22 million. When word reached Mozambique that he had released a CD in Canada, he was invited to give a performance of both music and dance there last August. It was a 650-person sellout, attended by many dignitaries.
That led the prime minister to ask him to perform in the opening ceremony of the All-Africa Games in September -- a televised show performed to a stadium of 9,000 people. "It was huge, a very amazing experience," Nhussi says.
There are only about eight households of Mozambicans in Winnipeg, Nhussi says, and they're all invited to his St. Vital home for a barbecue every June 25, Mozambique Independence Day. "My house is kind of the embassy," he says with a chuckle.
In 2012, the 10th-anniversary year for NAfro, his plans include working with the broader African community to form an amateur performance troupe and holding a three-day festival and symposium on African-contemporary dance in November.
To celebrate his 50th birthday in 2014, the man who once choreographed a work called Let Me Dance Before I'm Gone plans to do a full-scale solo show of storytelling, dance and music.
"I want to push myself," he says. "I'm still moving. I'm still dancing."
NAfro Dance's next production is Mapiko, March 2-4 at the Gas Station Arts Centre. See www.nafrodance.com
alison.mayes@freepress.mb.ca
Republished from the Winnipeg Free Press print edition January 18, 2012 D2
HISTORY
Updated on Wednesday, January 18, 2012 at 9:13 AM CST: added photo

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O País Online - A verdade como notícia
Início Cultura Cultura Versão jazz do makonde
Versão jazz do makonde
QUINTA, 01 SETEMBRO 2011 00:00 REDACÇÃO
Casimiro Nhussi
Casimiro Nhussi
Encarte Jazz levou ritmo ao museu. Assim, o mito de “museu um espaço de estranha paz” como se procura sempre acreditar esbarra na música. É o que está a acontecer no Museu da História Natural, onde se tem levado um som diferente.
Depois de, semana passada, Dadivo josé ter-se despido do seu fato de actor para vestir a máscara de músico, esta semana, o Museu da História Natural transforma-se no pano de fundo para “Makonde” de Casimiro Nhussi.
Este é o artista de momento. Depois de ter lançado “Makonde” no Canadá e ter confessado a sua surpresa de ver seus espectáculos, naquela parte norte da América, com muitos seguidores – “apesar de não perceberem o que eu cantava” (disse-nos numa entrevista) – foi a surpresa nos Awards.
“Makonde” de Nhussi entrava para as agendas culturais ocidentais e era falado por estas terras. Ele prometia fazer também por cá o lançamento. O seu nome volta a sair do ciclo dos coreógrafos bailarinos para se confundir com a música. No entanto, ele recusa divisões.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O País Online - A verdade como notícia
Regresso às origens makonde
SÁBADO, 02 JULHO 2011 00:00 AZAEL MOYANA
“Makonde” é o título de um disco pouco conhecido entre nós, mas de mérito reconhecido
“Makonde” é o título de um disco pouco conhecido entre nós, mas de mérito reconhecido. Recentemente, conquistou o “Western Canadian Music Award”, na categoria do “World Music”. Casimiro Nyussi, o seu autor, está de volta ao solo pátrio, para apresentá-lo publicamente...
“Espectáculo Makonde: celebrando a vida” é como será designado o concerto do bailarino que decidiu experimentar a sensação de cantar em palco. Chama-se Casimiro Nhussi, que, para além de ser coreógrafo, bailarino e professor de dança, o seu nome figura da lista dos músicos cotados internacionalmente. Seu talento granjeou simpatia no mundo fora, o que o levou a radicar-se no Canadá. Conquistou o mundo mexendo o seu corpo ao encarnar a dança, ao rufar dos tambores. Mesmo assim, nunca se esquece da sua origem makonde, daí ter reservado um trabalho para brindar com o seu povo. Este trabalho discográfico, cujo título faz jus à sua comunidade, chega-nos carregado de muito simbolismo. Estamos a falar de um álbum vencedor que, na disputa com trabalhos de nomes sonantes, foi eleito o melhor disco de 2010, no Wester Canadian Music Award. Os prémios do Western Canadian Music Award são equivalentes aos Grammy Awards dos Estados Unidos da América, aos quais concorrem mais de dois mil artistas, mas que somente cinco são nomeados para as várias categorias. Esta foi a primeira vez que um músico moçambicano viu a sua obra a concorrer naquele prestigiado evento de música internacional.
Refira-se que, quando esteve em Moçambique pela última vez, ano passado, para rebuscar bases para o seu novo bailado, Casimiro Nhussi levou o seu filho para beber da cultura makonde, em Cabo Delgado e não escondeu o fascínio com que ficou ao ser recebido como rei. Em jeito de reconhecimento do carinho dado pelo seu povo, prometeu tatuar parte do seu corpo ao jeito típico dos makonde.
Espectáculo com sabor à makonde
O álbum comporta 16 faixas e o destaque vai para os temas “Abeko”, “Indla”, “Kuvambuka”, “Aya yo”, “Kwala”, “Ntima”, “Safa-safa-safa”. O CD exalta o amor, o respeito pela tradição e a esperança de um amanhã melhor. Nhussi não esconde a ânsia de apresentar este trabalho na terra que o viu nascer. Aliás, em várias entrevistas dadas aquando da eleição deste trabalho, deixou claro que a obra é resultado de um trabalho inspirado no povo moçambicano, sobretudo os makonde de Cabo Delgado – o seu berço.
Assim, está agendado para Agosto próximo, no Centro Cultural Franco-Moçambicano, o “Espectáculo Makonde: celebrando a vida”. No show, as danças africanas (coreografia Xilongo) e música serão o denominador comum.
De acordo com a Mbira Produções, entidade que organiza o concerto, o espectáculo pretende fazer uma singela homenagem ao continente africano, tendo o Xilongo como fonte de inspiração. Xilongo, usa-se para guardar água, conservar remédios ou transportar água para as cerimónias tradicionais. É usado na tradição makonde, daí que Nhussi o associa ao álbum “Makonde e, por sua vez, o título do disco”.
No espectáculo “Makonde”, Casimiro Nhussi irá fazer coisas que mais o destacaram no cenário artístico nacional, ou seja, irá dançar, cantar e tocar vários instrumentos, tais como djembe, tambores (likuti) e Mbira. Para tal, o coreógrafo e músico conta com os préstimos de Rolando, que vai tocar timbila, percussão fina e voz; Amós Lamussene, timbila; Gil Júnior, viola baixo; João Cabral, guitarra; Jay stoller e Kelly Leville, bateria; e Lindo Cuna na percursão e voz. Vai ainda passear a sua classe o músico suíço Jaz Rice e o coral da UEM, numa interpretação do tema “Julelo”, um cancioneiro tradicional makonde.
Por questões alheias à vontade da organização, Nhussi não poderá passear a classe na companhia da sua banda completa, daí que estará em palco apenas com Jay stoller e Kelly Leville. A outra malta é composta por músicos que já tocaram com Nhussi, várias vezes, em Moçambique.
Coreógrafo da vida
Casimiro Nhussi coreografou dezenas de bailados para a Companhia Nacional de Canto e Dança (CNCD), com destaque para “Ode à Paz”, “Árvore Sagrada”, “Kulipudya”, “Raízes”, “Visão”. No Canadá, onde reside desde 1997, continua a dançar e a fazer música.
Casimiro Nhussi é um dos mais celebrados artistas de canto e dança no nosso país, tendo integrado a (CNCD) em 1982, ano da sua fundação. Foi bailarino principal da CNCD e, depois, director artístico, onde também dirigiu vários bailados e compôs vários temas para a orquestra da própria companhia.
Paralelamente, actuou em alguns filmes moçambicanos, para além de ter sido actor de teatro e membro fundador do conjunto Kinamataminkuluty com o professor Orlando da Conceição. Desde que chegou ao Canadá em 1997, Casimiro tem produzido e coreografado dezenas de peças, tanto como coreógrafo independente, bem como director artístico da Dança Nafro, criado em 2002, como resultado do seu incansável entusiasmo. Desde a sua criação, Dança Nafro realizou inúmeros shows em todo o Canadá, exibindo peças interessantes e instigantes.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Casimiro Nhussi leva ao palco Makonde
Escrito por Abdul Sulemane
Casimiro Nhussi apresenta neste sabádo, no Centro Cultural Franco-Moçambicano, o espectáculo Maconde, fruto do seu primeiro trabalho discográfico. Para o concerto o músico conta com o suporte rítmico de Kelly Leveille na bateria, Jay Stoller na percussão, João Cabral na guitarra, Gil Júnior na viola-baixo, Lindo Cuna, Amosse e Rolando Lamussane na percussão e voz.
Mostrar o trabalho musical desenvolvido sobre a etnia maconde e assim contribuir para a preservação da cultura é o centro das preocupações do artista. “A cultura maconde está a desaparecer. Eu próprio estou a perder alguns valores da minha cultura. Por isso fiz este trabalho, com vista a preservar de alguma forma os valores maconde”, sublinha Nhussi.
O disco é uma homenagem aos macondes enquanto estratégia para destacar a cultura moçambicana. “Este disco vai contribuir para disseminar conhecimento sobre a cultura moçambicana, em especial a maconde. Vai contribuir para as gerações mais novas, fazê-las entender que a nossa cultura não está ultrapassada. Temos que preservar a nossa cultura ou ela desaparece”, advertiu Nhussi. A obra já teve lançamento internacional, o que reforça a sua intenção de propagar a cultura moçambicana.
No concerto e no disco ouvem-se ritmos tradicionais. “Já não se toca mapiko, xigubo e até mesmo xigovia, como se tocava antigamente. Esses elementos da cultura moçambicana estão a ser deixados devido às mudança no mundo, que nos fazem esquecer aquilo que somos. Então o concerto e disco recordam que não existe um homem sem identidade”, reforça Nhussi.
João Cabral, um dos convidados especiais do espectáculo, diz-se “honrado em experimentar outras tendências musicais. Dedico-me sobretudo ao jazz e essa é uma oportunidade para fazer algo diferente. Estou entusiasmado com o conceito deste espectáculo. Vou tocar música afro, com bastante percussão, como é característico da música tradicional moçambicana e da cultura maconde”, ressalta Cabral. O jazzista e Gil Junior são os responsáveis pela harmonia do concerto. Jaz Rice, outro músico convidado, irá abrir o espactáculo e interpretar temas do seu próprio disco. “Tenho uma surpresa para os que forem ao espectáculo, apareçam”, instiga Rice.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mapiko.belmiro adamugy
Casimiro Nhussi no Franco Moçambicano
junho 29, 2011 - Publicado por Belmiro Adamugy
Casimiro Nhussi é um dos mais celebrados artistas de Canto e Dança no nosso país. Integrou a Companhia Nacional de Canto e Dança em 1982, ano da sua fundação. Foi bailarino principal da CNCD e depois director artístico. Dirigiu vários bailados e compôs vários temas para a orquestra da própria companhia. Paralelamente, actuou em alguns filmes moçambicanos para além de ter sido actor de teatro e membro fundador do conjunto Kinamataminkuluty com o professor Orlando da Conceição.
No espectáculo “Makonde”, Casimiro Nhussi irá fazer as coisas que mais o destacaram no cenário artístico nacional, ou seja, irá dançar, cantar e tocar vários instrumentos como sejam o djembe, tambores (likuti) e Mbira.
Xilongo é uma expressão Makonde que significa Vaso e é o título escolhido para esta produção de Dança e Música que irá mostrar para o público danças africanas e música (World Music) da forja de Casimiro Nhussi. O espectáculo terá duas componentes (Dança e Música). Uma parte será para a exibição da coreografia Xilongo e a outra será o concerto musical.
Xilongo é um importante elemento da cultura e tradição africanas. Usa-se o xilongo para guardar água, para conservar remédios ou transportar água para as cerimónias tradicionais. Neste espectáculo, queremos fazer também uma singela homenagem ao continente africano tendo o Xilongo como fonte de inspiração. Makonde é, por sua vez, o título do disco de Casimiro Nhussi lançado em 2010 no Canadá. No ranking dos álbuns de 2010 no Candá, Makonde recebeu 4.5 Estrelas pela crítica especializada para além de várias nomeações.
“Canto e Dança” em pessoa
Casimiro Nhussi é dançarino, coreografo e instrutor de dança profissional na cidade canadiana de Winnipeg Manitoba. Começou a sua carreira em 1982, na Companhia Nacional de Canto e Dança de Moçambique, CNCD. Actualmente, é Director Artístico e fundador de uma companhia de dança contemporânea africana, a NAfro Dance Productions.
Na Companhia Nacional de Canto e Dança participou em todas as obras, quer como bailarino e músico, quer como coreografo desde 1982 até a altura em que migrou para o Canadá.
Casimiro coreografou dezenas de bailados para a CNCD, sendo de destacar Ode à Paz, Árvore Sagrada, Kulipudya, Raízes, Visão. Coreografou ainda Simbiose, Á volta da fogueira, A Sedução da Esperança, Se as minhas lágrimas pudesse pintar, Adaptação das Espécies, Deixe-me dançar antes de partir, Mapiko, entre outras.
No Canadá, onde reside desde 1997, continua a dançar e a fazer música. Makonde é o título do seu primeiro disco, onde mistura ritmos tradicionais do povo Makonde e da música moderna produzindo um som típico da chamada World Music.
O músico e dançarino moçambicano, Casimiro Nhussi, viu o seu disco “Makonde” a ser nomeado para o Western Canadian Music Título do espectáculo Makonde
Local: Centro Cultural Franco Moçambicano
Data: 27 de Agosto de 2011
Horário: 20:30 – 22:30 Produtor executivo: Belmiro Adamugy
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O País Online - A verdade como notícia
Início Cultura Cultura Melhor makonde do Canadá
Melhor makonde do Canadá
SEGUNDA, 16 AGOSTO 2010 09:19 REDACÇÃO
Casimiro Nhussi
O álbum “Makonde”, de Casimiro Nhussi, foi nomeado para melhor CD do ano na categoria World Music pela Wester Canadian Music Award. O resultado destes “grammy” canadianos será divulgado em Outubro, num espectáculo de gala a ser transmitido em directo pela TV.
Quando esteve em Moçambique pela última vez, ano passado, levou o seu filho para beber a cultura makonde, nas bandas de Cabo Delgado, e não escondeu o fascínio com que este ficou ao ver todo o movimento que se criou para o receber. “Disse que também quer fazer tatuagem”, revelou Casimiro Nhussi.
Na mesma ocasião, Nhussi foi buscar bases para o seu novo bailado e para suportar o seu álbum “Makonde”, que agora foi nomeado para disco do ano na categoria de World Music pela Western Canadian Music Awards.
Casimiro Nhussi vai concorrer com outros quatro artistas, nomeadamente, Alpha YaYa Diallo, com o álbum “Imme”; Bomba, com “Cuotro Caminos”; George Koufogiannaks, com “Generations”; e Ivan Tucakov and Tambura Rasa, com “Tambura Ras Beats”.
O anúncio do vencedor será feito no dia 24 de Outubro, numa sessão de gala a ser transmitida pela televisão pública canadiana, CBC, para diferentes partes do mundo.
Western Canadian Music Awards “é considerado um dos maiores concursos musicais daquele país, sendo mesmo comparado ao Grammy Awards dos Estados Unidos da América. Cerca de dois mil artistas submetem suas músicas para concorrerem em diferentes categorias e somente cinco, de cada, é que aparecem como finalistas.
Por fazer parte dos cinco eleitos para World Music, Casimiro Nhussi sublinha a satisfação: “Desta vez, o makonde representante da cultura moçambicana nas américas é o escolhido. É resultado do trabalho que tenho desenvolvido para responder ao amor e carinho que os moçambicanos têm por mim e que o demonstram ao longo da minha carreira artística”, afirmou.
Quando pensa em agradecimentos, não deixa de olhar para as origens e mandar um “obrigado especial aos macondes, por me inspirarem e aceitarem que os represente à minha maneira.”
É dessa “sua maneira” que Nhussi tem construído uma carreira artística que se confunde entre a música e a dança. Foi uma das vozes marcantes de um dos melhores discos de música tradicional feito em Moçambique. Nele, Nhussi aparece com a Companhia Nacional de Canto e Dança, onde foi director artístico.
É também na Companhia Nacional que fez uma carreira espectacular, marcando uma série de artistas. No ano passado, voltou a dirigir uma equipa de bailarinos como Pérola Jaime e Abacar Mulima, numa coreografia que nos leva a questões tradicionais. Nhussi voltava assim à questão de circuncisão e de ritos de iniciação.
Zavala festeja timbila
VINTE grupos de canto e dança corporizam hoje, no Miradouro de Quissico, distrito de Zavala, província de Inhambane, a 16ª edição do M’saho – Festival de Timbila.
Maputo, Sábado, 27 de Agosto de 2011:: Notícias .Sob o lema “M’saho 2011: Marechal Samora Machel”, a manifestação cultural vai juntar orquestras de timbila oriundos de Macucula, Guilundo, Mazivela, Canda, Zavalene e Banguza, bem assim a orquestra de ngalanga de Chitondo norte.
Além de timbila e ngalanga, o festival que vai reunir cerca de 45 mil espectadores no Miradouro de Quissico, irá igualmente evidenciar-se por outras manifestações culturais, nomeadamente makwaela, xingomana e xinzeca. Haverá ainda sessões de ginástica acrobática, teatro e uma exibição cultural do Japão, a ser apresentada por um grupo de voluntários daquele país que trabalha em Zavala.
Na capital do país, a Companhia de Canto e Dança Xindiro, uma associação cultural sem fins lucrativos, fundada a 1 de Junho de 1994 por um grupo de docentes e alunos da Escola Primária Maguiguane, promove hoje no bairro da Maxaquene, o II Festival de Artes, evento que tem como objectivo principal trazer à superfície todos aqueles que acreditam nas artes como ferramenta de expressão e de construção de uma sociedade justa e igualitária.
O evento será caracterizado por diversas modalidades artísticas, nomeadamente dança, música, poesia, entre outras.Ainda para o dia de hoje, é aguardado com muita expectativa, o espectáculo do multifacetado artista Casimiro Nhussi, o qual terá como palco o Centro Cultural Franco-Moçambicano (CCFM).
O espectáculo, intitulado “Makonde”, está centralizado na figura de Casimiro Nhussi, ex-bailarino e coreógrafo da Companhia Nacional de Canto e Dança, celebrizado pelas grandiosas actuações nos bailados “Em Moçambique o Sol Nasceu”, “N´tsay” e “A Noiva de Nha-Kebera”, entre outras criações.
Artista multifacetado, bailarino, compositor e intérprete, actor de cinema e teatro, coreógrafo, Casimiro Nhussi promete uma actuação única e de grande nível pelo que, em plena conferência de Imprensa, garantiu aos jornalistas que iria dançar e cantar com a mesma energia e entusiasmo que sempre o caracterizaram.
Uma coisa posso garantir: vai ser um espectáculo em que vou cantar e dançar para matar saudades daqueles que sempre me acarinharam enquanto artista da Companhia Nacional de Canto e Dança, mas também para mostrar outras coisas que fui aprendendo nos últimos anos no Canadá”, disse Nhussi.
O espectáculo servirá para apresentação do disco “Makonde” que Nhussi lançou no ano passado no Canadá e que, mercê da sua qualidade, recebeu da academia de artes a classificação de 4.5 estrelas (numa classificação que vai até 5 estrelas) e figurou entre os 5 melhores discos de world music daquele país.


Reviews


to write a review