Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra | Saudades do Brasil

Go To Artist Page

More Artists From
Brazil

Other Genres You Will Love
Classical: Orchestral Classical: Orchestral Moods: Solo Instrumental
There are no items in your wishlist.

Saudades do Brasil

by Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra

O CD “ Saudades do Brasil” gravado na Lituânia faz uma ponte entre o velho e o novo mundo, mostrando a relação entre o compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos e dois grandes compositores franceses e amigos pessoais, primeiro Darius Milhaud que Villa Lobos conheceu no Rio de Janeiro e em seguida Florent Schmitt(com um concerto de flauta inédito) que o compositor carioca conheceu em Paris. Toda a renda adquirida da venda deste CD será revertida para a instituição social “Lar Fabiano de Cristo”
Genre: Classical: Orchestral
Release Date: 

We'll ship when it's back in stock

Order now and we'll ship when it's back in stock, or enter your email below to be notified when it's back in stock.
Sign up for the CD Baby Newsletter
Your email address will not be sold for any reason.
Continue Shopping
available for download only
Share to Google +1

Tracks

Available as MP3, MP3 320, and FLAC files.

To listen to tracks you will need to either update your browser to a recent version or update your Flash plugin.

Sorry, there has been a problem playing the clip.

  song title
artist name
share
time
download
1. Overture Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
0:49 $0.99
2. Sorocaba Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:27 $0.99
3. Botafogo Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:40 $0.99
4. Leme Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
2:18 $0.99
5. Copacabana Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
2:38 $0.99
6. Ipanema Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:53 $0.99
7. Gavea Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:24 $0.99
8. Corcovado Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:39 $0.99
9. Tijuca Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:50 $0.99
10. Sumaré Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:55 $0.99
11. Paineiras Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:11 $0.99
12. Laranjeiras Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:06 $0.99
13. Paysandú Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:44 $0.99
14. Suite pour flute et orchestre en quatre parties 1 Laércio Diniz, James Straus & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
2:58 $0.99
15. Suite pour flute et orchestre en quatre parties 2 Laércio Diniz, James Straus & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
1:17 $0.99
16. Suite pour flute et orchestre en quatre parties 3 Laércio Diniz, James Straus & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
6:14 $0.99
17. Suite pour flute et orchestre en quatre parties 4 Laércio Diniz, James Straus & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
3:41 $0.99
18. Toccata o Trenzinho do Caipira Laércio Diniz & Lithuanian National Symphony Orchestra
Share this song!
X
4:27 $0.99
preview all songs

ABOUT THIS ALBUM


Album Notes
No verão de 1920, na Dinamarca, enquanto servia como secretário do poeta Paul Claudel (1868-1955), embaixador da França naquele país, o francês Darius Milhaud (1892-1974) foi aparentemente cometido de nostalgia do período em que desempenhara a mesma função no Rio de Janeiro. Milhaud chegou ao Brasil aos 25 anos de idade, em 1917, e ficou pouco mais de um ano no país, tendo travado conhecimento com compositores chaves do meio musical do país na época, como Alberto Nepomuceno, Francisco Braga e Henrique Oswald, além do jovem Heitor Villa-Lobos, que ele definiu como un temperament rude et plein d'hardiesses (“um temperamento rude e cheio de ousadia”). Ele lamentou que as obras desses compositores fossem “um reflexo das diferentes fases que se sucederam na Europa, de Brahms a Debussy, e que o elemento nacional não seja expresso de uma maneira mais viva e original”. , como exprimiu com suas próprias palavras. E acabou colocando em prática o que esperava dos compositores brasileiros de seu tempo em uma série de criações, como o bailado L’Homme et son désir (1918) e Le Boeuf Sur Le Toit (1920), um pot-pourri (sem citar nomes de autores ou obras) de várias peças brasileiras daquela época, de Chiquinha Gonzaga a Ernesto Nazareth (incluindo Escovado e Apanhei-te, Cavaquinho). Escrita na Dinamarca, mas tendo o Rio de Janeiro no coração, Saudades do Brasil, de acordo com o próprio compositor, foi “inspirada por ritmos sul-americanos, e não baseada em música folclórica”. A obra nasceu como suíte para piano solo, constituída de 12 peças curtas (nenhuma com duração superior a três minutos) cujos nomes homenageiam bairros cariocas. Politonalidade e acentos jazzísticos são alguns dos recursos empregados por Milhaud para dar conta do colorido que ele havia vivenciado nas ruas do Rio de Janeiro.
O editor Max Eschig publicou a coletânea em dois volumes, em 1922, como opus 67; a versão orquestral, feita pelo próprio compositor, saiu em 1923, como Opus 67b. Quando, depois da ocupação de seu país por tropas nazistas, o judeu Milhaud chegou aos EUA, em 1940, regeu várias vezes a obra à frente de orquestras daquele país, gravando-a com a Concert Arts Orchestra, em Hollywood, em 1958. Depois de receber Milhaud no Rio de Janeiro, era a vez de Villa-Lobos ir a Paris. Com a habitual imodéstia, o compositor disse que iria à França não para aprender, mas para mostrar o que havia feito. Contudo, suas duas viagens à Europa (1923/4 e 1927/30) foram fundamentais para fixar sua opção por uma linguagem “nacional” e consolidá-lo como o maior compositor brasileiro de todos os tempos. Na capital francesa, sua música foi executada por intérpretes do quilate dos pianistas Arthur Rubinstein (1887-1982 e Magdalena Tagliaferro (1894-1986), e da cantora Vera Janacópulos (1892-1955), e elogiada por críticos influentes, como Henri Prunières (1886-1942) e Florent Schmitt (1870-1958)). Pouco executado nos dias de hoje, Schmitt dedicou sua Suíte para flauta e orquestra ao mítico Jean Pierre Rampal (1922-2000), um dos mais festejados flautistas do século XX. Em sua biografia, Rampal conta que a planejada estreia da obra foi cancelada, pois o compositor acusava seu editor de ter perdido a cópia única da partitura: “nunca toquei o concerto de Schimitt e a música nunca foi encontrada. Os anos passaram. Pouco tempo depois da morte de Schimitt (1954) percebemos que ele se esquecera de orquestrar a peça e ele esqueceu que esquecera. Somente existem hoje as partes de flauta e piano”. De acordo com o flautista James Strauss, que, contudo, Schmitt na verdade orquestrou a obra. “Nunca houve a première com orquestra, a partitura com acompanhamento de piano foi tocada pela primeira vez no dia 29 de outubro de 1959, pouco mais de um ano apos a morte de Florent Schmitt e dois meses apos a morte de Villa-Lobos”, conta o intérprete que encontrou a partitura durante uma pesquisa nos arquivos da Durant, em Paris, em 2002.
“A Suíte para flauta e orquestra é uma das ultimas obras de Florent Schmitt. Já num período de extrema maturidade, a orquestração é algo transcendental, estamos dentro do universo impressionista de Debussy e Ravel”, analisa Strauss, que a considera, “ao lado do Concierto Pastoral, de Joaquin Rodrigo, uma das obras mais difíceis escritas no século XX para flauta e orquestra, com um diferencial de que a parte da orquestra é como, diria Jean Pierre Rampal, atrocement difficile" (terrivelmente difícil). Perdas de manuscritos também fazem parte da mitologia de Villa-Lobos que, retornando ao Brasil, na década de 1930, envolveu-se com um ambicioso projeto de educação musical por meio do canto coral, e empreendeu a composição da parte mais célebre de suas obras: as nove Bachianas Brasileiras, para distintas formações.
De teor neoclássico, o nome das Bachianas homenageia o mestre do barroco germânico Johann Sebastian Bach (1685-1750), mas mantendo a afirmação de caráter “nacional”. Cada movimento das obras, assim, tem dois títulos-um “bachiano” e um “brasileiro”. A obra que encerra o disco possui o nome “bachiano” de Toccata e o “brasileiro” de O Trenzinho do Caipira. De caráter descritivo, a peça, uma das mais célebres do compositor, foi estreada em Veneza, em 1934, sob regência de Dmitri Mitropoulos, e parece remeter a um episódio da vida do compositor: a Excursão Artística Villa-Lobos, na qual, viajando de trem ao lado de músicos como sua primeira mulher, a pianista Lucília, os também pianistas Guiomar Novaes, Antonietta Rudge e Souza Lima, o violinista belga Maurice Raskin e a cantora Nair Duarte Nunes, ele levou música erudita a 54 cidades do interior do Estado de São Paulo. Tanto para a gravação do Trenzinho, quanto para a de Saudades do Brasil, o maestro Laércio Diniz empregou autênticos instrumentos brasileiros de percussão (ganzá, caxixi, chocalho, reco-reco e afoxé), que foram doados por ele à orquestra.

Irineu Franco Perpetuo


Reviews


to write a review